sapsalis

A mais leal das raças – Um memorial de 300 anos de idade na região sudeste da Coreia do Sul conta a história de um aristocrata que tirou um cochilo à beira de um rio depois de ter bebido muito em uma festa. Enquanto o homem dormia, as brasas de seu cachimbo deram início a um incêndio. Seu fiel sapsali pulou no rio e usou o pelo encharcado para apagar o fogo, salvando seu dono, ao custo da sua própria vida. A crença na lealdade do animal combinada com seu temperamento gentil fizeram da sapsali uma raça perfeita para terapia. Os cães são usados em hospitais desde 1999.

Lee Dong-Hoon, um pesquisador da raça disse que a personalidade e tamanho — eles possuem de 46 a 56 centímetros de altura e pesam entre 16 e 26 quilos — fazem dos sapsalis os preferidos entre os pacientes de hospitais. “Crianças que estão se recuperando de bullying mostram melhoras depois de contato com os animais”, disse Dong-Hoon. “Ouvi um dos pacientes sussurrar para um dos sapsalis, ‘só você entende como estou me sentindo'”.Tesouro nacional – A partir do início da década de 1990, Ji-Hong e sua equipe de pesquisadores começaram a coletar amostras de DNA de todos os cães eliminando características indesejadas para estabilizar a raça. Uma das características eliminadas foi a presença de uma classe de vírus especialmente letal para os filhotes, que acompanhava a espécie desde o nascimento. Além disso, foi preciso desenvolver vacinas mais eficientes.

Apesar das dificuldades para manter o projeto sem financiamento, uma grande ajuda surgiu em 1992. O governo da Coreia do Sul reconheceu os sapsalis como tesouro nacional e forneceu recursos para compra de alimentos e vacinas.

Atualmente, Ja-Hong possui 500 cães de excelente capacidade reprodutiva e existem mais de 1.200 espalhados em casas de famílias sul-coreanas.
A missão – Na década de 1960, o pai de Ji-Hong, um especialista em reprodução e criação de animais, construiu um canil para proteger os últimos sapsalis puro-sangue da Coreia do Sul – apenas 30 exemplares. Quando o jovem Ha Ji-Hong voltou do doutorado nos Estados Unidos, 25 anos depois, restavam apenas oito sapsalis.

A ideia de que a raça pudesse desaparecer para sempre motivou Ha Ji-Hong a embarcar em uma missão para salvá-la, apesar da falta de recursos. “Meu pai me dizia que recuperar uma raça demandaria um capital que meu salário de professor universitário não aguentaria”, disse Ji-Hong. E ele estava certo. O pesquisador vendeu todos os bens familiares, inclusive a fazenda que havia herdado do pai.

Inicialmente, Ji-Hong utilizou técnicas de reprodução para aumentar a população de cães de 50 para 100. Depois de cinco anos, já eram 500.Sapsali, que significa ‘cão que afasta os maus espíritos’ em coreano, é uma das três raças de cães tradicionais da Coreia, junto com Jindo e Poongsan. O primeiro registro desses cães aparece em um mural do período dos Três Reinos, que durou de 37 a.C. até 668 d.C.
Reuters

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: